09 dezembro 2012

Confissões de uma groupie

Amanda lendo? O-M-G! É um milagre mesmo... Só consigo ler um livro todo quando ele é muito bom ou o assunto me interessa. Quem me conhece sabe que adoro demais os assuntos Groupies e Psicopatas. Hoje vim apresentar à vocês o meu achado incrível nessa última Bienal do livro em Fortaleza. Trouxe essa belezinha por apenas R$10,00. Já estava sem esperanças de encontrar algo que realmente me interessasse. Lembro que estava com algum livro na mão pra não voltar pra casa sem nada quando me deparei com Confissões de uma groupie e soltei tudo na hora! Nem quis olhar os outros livros... Amor à primeira vista existe sim Ah, vale lembrar que ele é de segunda mão. Não tenho besteira com isso não. Aliás, toda aquela banca vendia livros usados, de todos os tamanhos, assuntos e grossuras. Incrível!
O livro fala da vida de groupie de Pamela Des Barres, em plenos anos anos 60. Sexo, drogas e rock n' roll. Não vou contar nem a metade, quem se interessou tem que ler. Vale muito à pena. Só que eu não recomendo pra menores de 18! Aqui vai o resumo pra deixa-los curiosos:

Confissões de uma groupie - a autobiografia de Pamela Miller

Desde que Elvis Presley deu as suas primeiras reboladas o rock se mostrou um campo fértil para o nascimento de ídolos capazes de mexer com a imaginação das mulheres como nunca havia se visto no universo da música. Mas até onde vai a adoração do sexo feminino pelos astros de rock? No caso de Pamela Miller a veneração ia até a cama do músico que cruzasse a sua frente e lhe parecesse sexy ou que no momento estivesse em ascensão, lotando estádios durante os shows e vendendo discos como se fossem água.

Originalmente publicado nos Estados Unidos em 1987 sob o título de "I'm With The Band", o livro "Confissões de uma Groupie" chega agora às livrarias brasileiras sob a batuta da novata Editora Barracuda. A obra é a autobiografia de Pamela Miller, uma das mais controversas personagens dos bastidores do rock do final da década de 60 e início dos anos 70. A sua fama se deve à sua incrível disposição de "entreter" os roqueiros mais famosos da época durante suas turnês. De fã adolescente de Paul McCartney, do tipo que escrevia cartas de amor e sonhava em casar com o seu ídolo, Pamela Miller se tornou amante e confidente de artistas como o "número 1 na minha lista de trepadas fora da realidade" Mick Jagger (dos Rolling Stones), o "impecável pop star" Jimmy Page (Led Zeppelin), o "frenético" Keith Moon (The Who) e "o deus grego que deu errado" Jim Morrison (The Doors), só para citar alguns.Dona de um comportameto capaz de fazer corar os mais conservadores ainda nos dias de hoje, Pamela Miller pode ser considerada uma das mulheres pioneiras da revolução sexual ocorrida na década de 60 nos Estados Unidos. É claro que o fato de ela ter vivido na Califórnia durante o auge do movimento hippie e do espírito então reinante do "faça amor não faça guerra" ajudou-a a encarar muitas caronas, viagens além-mar e muitas portas na cara somente para encontrar e "entreter" seus ídolos da música.
Mas não são apenas com suas peripécias sexuais que estão recheadas as 270 páginas do livro "Confissões de uma Groupie". A partir de anotações de seus diários, cartas e de um grande esforço de escavação da memória, Pamela Miller traz à tona suas impressões e comentários sobre como era a vida nos bastidores do rock numa época em que a música pop ainda não estava tão contaminada pelo "bom mocismo" que impera hoje na indústria fonográfica.
Relatos de brigas entre artistas, de festas invejáveis e de abusos no uso de drogas não faltam. Há também comentários sobre a performance (no palco, que fique claro) de muitos artistas em pleno auge. "O Led Zeppelin ao vivo era um evento sem igual na história da música. Eles tocavam mais e com mais vontade que qualquer outro grupo já tinha feito, mudando totalmente o conceito de shows de rock", escreve a groupie mais famosa do planeta com a autoridade de quem viu muitas apresentações da banda sentada sobre os amplificadores de Jimmy Page.
É claro que a vida de "garota que sai com caras de bandas de rock" (uma definição curta e grossa do termo groupie) nem sempre era tão colorida. Afinal, correr atrás dos seus ídolos exigia um tempo desgraçado, o que impedia a nossa heróina de ter um emprego fixo o que resultava na óbvia falta de grana - problema que era amenizado com a confecção de camisas de cowboy que eram vendidas para músicos de Hollywood ou trabalhando como babá na casa de Frank Zappa.
Com ou sem grana, Pamela Miller (que virou Pamela Des Barres, depois de se casar com Michael Des Barres no final da década de 70), construiu uma das biografias mais polêmicas, extravagantes e controvertidas da história do rock, onde também tentou deixar a sua marca com a banda de groupies GTO - que acabou dando em nada.
Para muitos, a vida de Pamela Miller poderia ser considerada uma sucessão de contatos íntimos com falos de roqueiros famosos. Porém, ela não aceita essa condição e na sua autobiografia deixa claro que na sua vida não existe espaço para arrependimentos: "eu me considero uma feminista verdadeira do início dos direitos das mulheres, porque estava fazendo exatamente o que queria. Eu amava a música e os homens que a faziam (...). Eu queria estar perto dos homens que me faziam sentir tão bem, e nada ia me impedir". E de fato ninguém impediu, já que nem o mais resistente zíper foi capaz de conter o ímpeto de Pamela em mostrar aos músicos todo o seu amor ao rock 'n' roll, agora revelado para os brasileiros neste imperdível "Confissões de uma Groupie".
 Já estou no Epílogo me perguntando como vou sobreviver com o fim deste livro. Caramba, como eu queria ter nascido naquela época! As pessoas eram bem mais sinceras, sabiam viver a vida, tinham caráter. No livro fala de "loucos do rock" mas todos eles deixavam bem claro o que queriam. Apesar de falar sobre sexo na maior parte do livro, Pâmera era uma pessoa incrível com desejos adolescentes igual à todas nós. Essa sim sabia viver!

Pamela Des Barres 
Miss Pam
Durante a leitura do livro conheci vários nomes do rock anos 60, pesquisei, entrei de cabeça mesmo nessa leitura.

 
Essa é a ex-groupie e autora do livro nos dias de hoje. Ela tem o mesmo sorriso sincero

E aí, alguém já leu ou ouviu falar do livro? Beijos!

5 comentários:

  1. Boa tarde florzinha.

    Realmente parece ser muito bom,quero ler.

    Gostaria de te convidar à
    participar do meu Sorteio de Natal tb.



    Confere lá...Bjim...

    http://arteemunhasluiza.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  2. Geeente!! que legal, eu quero ler esse livro.

    Beijos
    Ka
    www.novirginia.wordpress.com

    ResponderEliminar
  3. Oie Amanda comprei também livrinhos na Bienal, um na minha área e também outros romances do Jô soares, foi bem barato esse livro e parece muito bom, beijinhos flor

    ResponderEliminar
  4. Oi Amanda, já li este livro e achei o que a maioria das pessoas que o leram acha também, cansativo na escrita, ela da muito detalhe, muita volta e enrolação e quando chega na parte picante mesmo é bem rapidinha, mas vale para que é fã de rock e pensa que os rock stars de antigamente eram bem mais interessantes.bjs

    ResponderEliminar